Dia Mundial da Água: 4 ações para empresas contribuírem para a preservação das águas no Brasil

Postado em: 22/03/2022

Por: Em: Sem categoria


Como um país de dimensões continentais, o Brasil agrupa diferentes ecossistemas e realidades para ter acesso à água e tratar seus efluentes. O Dia Mundial da Água, comemorado no dia 22 de março, nos alerta sobre algo comum a todos: a preservação deste recurso natural.

A proposta do Dia Mundial da Água não se resume apenas à economia do consumo no cotidiano dos brasileiros. A conscientização também se estende a outros participantes de peso neste contexto: as indústrias e empresas públicas e privadas.

Você vai ver neste texto como empresas de diferentes setores podem contribuir com melhorias no uso da água. Além disso, mostraremos como implantar ações que impactam direta e indiretamente nas águas subterrâneas. Confira!

Dados do consumo e tratamento de água no Brasil

Acompanhar a estrutura de serviços de abastecimento e de saneamento serve de diretriz para a atualização de normas e incentivo a políticas públicas e iniciativas privadas. 

Para entender melhor como utilizamos nossos recursos naturais, separamos o levantamento mais recente, de 2020, publicado no banco de dados da ONU-Water, o braço da Organização das Nações Unidas (ONU) para temas de água e saneamento. Os dados são fornecidos por diversas instituições ligadas à ONU.  

Água potável

  • 86% da população no país tem acesso a serviços de água potável gerenciados com segurança. Essa água vem de uma fonte de água melhorada ao longo dos anos e que é livre de contaminação fecal e química prioritária. Esse índice é maior em áreas urbanas do que em rurais;
  • Os 14% restantes têm acesso apenas a serviços básicos, que ainda não são gerenciados com segurança;
  • Enquanto isso, 1% da população continua sem melhorias nos serviços. Ou seja, são pessoas que bebem água de uma nascente ou de um poço escavado desprotegido.

(Fonte: OMS e Unicef)

Saneamento

  • 49% da população usa serviços de saneamento gerenciados com segurança. Os excrementos são descartados em local adequado ou transportados e tratados fora do local;
  • 41% tem acesso a serviços básicos de saneamento, que são apenas instalações melhoradas e que não são compartilhadas com outras famílias;
  • 10% da população usa serviços de saneamento atrasados, como latrinas de fossa sem laje, latrinas suspensas ou de balde. Menos de 1% da população recorre à defecação a céu aberto, com descarte de fezes humanas em áreas verdes, corpos d’água abertos, praias e espaços abertos ou com resíduos sólidos. 

(Fonte: OMS e Unicef)

Tratamento de esgoto

  • 33% do esgoto doméstico é tratado com segurança no Brasil. São águas residuais e de residências que são tratadas e descartadas de acordo com as regras locais e nacionais; 
  • Na América Latina, o Brasil fica atrás de países como Chile (91%), Guiana Francesa (70%), México (60%), Bolívia (58%) e Argentina (36%).

(Fonte: OMS)

Corpos d’água com boa qualidade

  • 71% dos corpos d’água que são monitorados no Brasil têm boa qualidade da água ambiente. Essa proporção leva em conta o tipo de corpo d’água (de rio, lago ou água subterrânea) e os distritos da bacia (uma única grande bacia ou várias menores);
  • Na América Latina, Chile e Trinidad e Tobago (na região do Caribe) possuem mais de 80% dos corpos d’água com boa qualidade.

(Fonte: Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA)

Qual o tema do Dia Mundial da Água 2022?

O tema deste ano para o Dia Mundial da Água é “Águas Subterrâneas: tornando visível o invisível”. O foco está em conscientizar a população, governos e empresas sobre a importância dessa fonte natural e como preservá-la. 

Como o termo já diz, a água subterrânea é encontrada no subsolo em aquíferos, que são formações rochosas, de areia e cascalho que ajudam a reter a água. Em tempos em que fala tanto sobre consumo consciente, a água subterrânea chama a atenção por conta de alguns pontos:

  • Não há precisão sobre a quantidade de água subterrânea em alguns lugares, o que pode levar à escassez deste recurso futuramente. Em algumas regiões, a água subterrânea é a única fonte;
  • A poluição tem atingido os aquíferos, comprometendo a qualidade dessas águas;
  • Em algumas regiões pelo mundo, as águas subterrâneas são captadas em um volume muito maior do que as águas que recarregam os aquíferos, como chuvas e neve. Ou seja, a captação tem aumentado significativamente;

O Dia Mundial da Água foi criado em 1993 com o objetivo de estimular iniciativas em alinhamento com o 6º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS), de levar água e saneamento a todas as pessoas até 2030.

Uso das águas no Brasil

A captação de água no país pode variar de acordo com os setores da nossa economia e sociedade. Mas, de modo geral, os recursos utilizados para abastecer a população, indústria e outros mercados são:

  • Água doce renovável
  • Captação excessiva de água subterrânea renovável ou retirada de água subterrânea fóssil
  • Uso direto de água de drenagem agrícola
  • Águas residuais tratadas
  • Água dessalinizada

De acordo com a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), a captação de água pelos setores é dividida da seguinte forma:

56% para agricultura, silvicultura e pesca

É a quantidade anual captada para uso próprio. Ela é usada para atividades de irrigação, pecuária e agricultura.

26% para serviços

Essa é a proporção de água captada por ano pela rede pública de distribuição para uso direto da população. Neste percentual entram indústrias que fazem parte da rede municipal. 

18% para indústria

Assim como nas atividades de agricultura, silvicultura e pesca, a captação das indústrias é para abastecimento próprio, pois não se conectam à rede pública. Neste percentual de captação está a água de resfriamento de termelétricas, mas não inclui energia elétrica. Neste setor também foram contabilizadas as indústrias de laticínios, de carnes e de processamento de produtos agrícolas colhidos. 

4 ações para empresas contribuírem para a preservação das águas 

1. Consumo consciente

Ele deve ser considerado em todas as etapas em que há consumo para reduzir a quantidade captada e evitar o desperdício. Para fazer qualquer mudança, é importante verificar como está o nível de captação na proporção com o consumo usado nas instalações, na produção e manutenção da empresa.

A construção ou reforma do prédio deve considerar o consumo consciente, a água de reúso e a destinação adequada das águas residuais. O processo produtivo também merece ser repensado. Deve-se buscar soluções para minimizar o uso do recurso natural, ou mesmo substituí-lo.

Também é importante fazer trabalho de comunicação interna para incentivar os funcionários sobre o consumo consciente. A expectativa é que eles sejam multiplicadores nos seus grupos sociais. 

2. Tratamento adequado

A atenção deve ser maior em ações de aproveitamento de água da chuva, além do armazenamento e tratamento de água de reúso. As águas residuais também devem ter destinação adequada, seguindo as normas locais e nacionais.

3. Ações de impacto

Quando uma empresa consegue ir além da própria atividade e ajudar outras pessoas a melhorarem de vida, ela passa a ser vista com outros olhos pela sociedade.

Iniciativas que contribuam para o acesso à água potável, saneamento e consumo consciente podem somar esforços com outras frentes. 

4. Redução de perdas no tratamento de água.

Uma forma de contribuir é realizar ações estruturadas e investir em materiais de qualidade, que trazem maior eficiência dos sistemas de saneamento e garantem menos vazamentos e melhor aproveitamento dos recursos hídricos.

A sustentabilidade também é um dos pilares na gestão da BAUMINAS, que também tem ações de responsabilidade social, como a educação ambiental. 

Nosso foco é fazer com que mais empresas possam fazer melhor uso de suas águas para que todos se beneficiem de melhorias como essas no futuro. Confira aqui como a BAUMINAS Águas pode ajudar empresas e indústrias.


Gostou desse post? Compartilhe:

    Quer falar com a gente?
    Deixe sua mensagem abaixo: